Archive for outubro, 2008

Sansalinux no Sansa e250

outubro 18, 2008

Agora meu Mp4 é “tri-boot”, com o firmware original da Sansa, o Rockbox e agora com o Sansalinux.

Sansalinux é um fork do IPodLinux para família Sansa e200. Ele vem com o kernel 2.4 modificado do podzilla2. Rodando em um loop-filesystem do ext2 armazenado no FAT, que é o padrão de filesystem da Sansa. Além de usar o bootloader e drivers do Rockbox.

A instalação é fácil, como no Rockbox, basta baixar a o Sansalinux e descompacatar o arquivo tar:

tar -zxvf sansalinux-complete-0.20-linux.tar.gz

Acesse a pasta sansalinux-0.20/sansa, e copie os arquivos initrd e linux.bin para o diretório root do Sansa, e depois vá ao diretório usrfs-mpd ou  usrfs-nompd (nessa hora você escolhe se uer com  suporte ao Music Player Daemon , usrfs-mpd, ou sem usrfs-nompd ) e copie o arquivo para o root do Sansa, no caso eu to usando o suporte ao Music Player Daemon:

cd sansalinux-0.20/sansa

cp initrd linux.bin /media/Sansa\ e250/

cd  usrfs-mpd/

cp usrfs /media/Sansa\ e250/

** /media/Sansa\ e250/ é meu ponto de montagem do Sansa.

Após isso, execute o sansapatcher para instalar o bootloader. Caso já tenha o Rockbox instalado ( como eu), primeiro desinstale o bootloader e depois instale novamente, na pasta sansalinux-0.20 execute:

./sansapatcher

Confirme com o  u para desinstalar, e depois <Enter>.

Para instalar, faça o mesmo passo acima, porém  ao invés de u use o i.

Após isso o Sansalinux já estará instalado,. Para iniciar ele, ao ligar o Sansa, segure o botão de direção da direita “>>”.

Veja que legal o Kernel Linux dando boot no Mp4 :)

No site do Sansalinux tem alguns screenshot…. divirta-se!!!!

Anúncios

Relato sobre o Rails Summit Latin America 08

outubro 18, 2008

Minhas primeiras impressões foram a do local do evento e organização. Tudo bem distribuído e de fácil localização.

A abertura foi de Gilberto Mautner, que fez uma apresentação muito bacana da Locaweb, expondo o ponto da vista da empresa para as tecnologias Web e Open Source. Falou também sobre como tudo começou com a Locaweb, e do caminho percorrido até chegar no evento que ocorreu hoje.

Em seguida Fabio Akita nos touxe o que seria o evento, e de primeira, já teve alterações de horário, como todo grande evento, imprevistos acontecem. No Rails Summit não podia ser diferente, mas logo a grade
de eventos
do dia já estava remontada, e isso não gerou muito transtorno.

As palestras se dividiram em 2 auditórios, sendo que 1 era voltado aos palestrantes gringos, e outro as palestras “brazucas”. Enfim, tudo bem dividido e organizado.

A palestra do David Heinemeir Hansson, foi adiantada, começando logo em seguida do Fabio Akita. Em vídeo conferência, David, respondeu as perguntas da platéia e nos mostrou um pouco sobre como é desenvolvido o Rails, futuras novidades, internacionalização, plugins etc… Nesse momento realmente estava dentro de minha idéia de Summit, geralmente discussões sobre o andamento da comunidade para uma determinada tecnologia. Depois desta, as demais palestras moldaram o evento para uma “Conf” mesmo.

A outro palestra que vi foi a do  Chad Fowler, muito interessante por sinal, falando sobre “Emprego”. Tudo muito parecido com a seleção natural de Carles Darwin, onde só os fortes sobrevivem. É interessante é um pouco radical a palestra de  Chad, porém vale a reflexão do que ele trouxe.

Depois veio o almoço, o que me deixou particularmente chateado, pois esqueceram dos que não são carnívoros.
Logo após o almoço, fui assistir o George Malamidis. George falou em conjunto com Danilo Sato sobre REST, passando por protocolos XMPP, SMTP e  HTTP. Assunto bem interessante para mim. Um ponto
interessante nesta palestra foi a finalização do George, com o som do AC/DC Black in Black, do álbum que leva o mesmo nome… hehehe vou fazer isso em minha próxima apresentação.

A última palestra que assisti no dia foi a de Dr. Nic Williams, alias parecia que eu era parte da platéia de um dos shows de Jerry Seinfeld. Com muito bom humor e cheio de piadas, Dr. Nic trouxe para seus assistidos a necessidade de auxiliar em projetos Open Source. Mostrando que os desenvolvedores precisam de nossa ajuda.

Sites como o sourceforge.net e rubyforge.org tem centenas de milhares de projetos que precisam de tradução em suas documentações, correção de bugs, sugestões de melhorias, divulgação, uso, entre outras coisas que 15 minutos do seu dia pode trazer muito beneficio a você e ao próximo. Não há desculpas para não se participar de um projeto Open Source, e quem se interessa por tecnologia e quer estar sempre ligado no que ocorre, não há melhor ambiente para aprendizado, além de tudo o que
você aprende em um projeto colaborativo evolvendo pessoas de todos os níveis e de todos os lugares. Eu, particularmente apóio esta idéia.

Você pode começar ajudando meu projeto :)
O segundo dia começa sem energia, problema resolvido em menos de 10 minutos.

Ai foi a vez de Ninh Bui e Hongli Lai, que não só na minha opinião como nas dos participantes que conversei, foi uma das melhores palestras. Eles começaram a falar sobre a tecnologia do Passenger e
escalabilidade. Com direito de palavra até para o Darth Vader.

Ao fim, durante as perguntas, Ninh Bui montou um Blog em 5 minutos com um o plugin criado por Hongli Lai:

http://github.com/FooBarWidget/yuumius_comments/tree/master

Em seguida assisti a palestra do Charles Nutter e Thomas Enebo, que achei bem interessante falando do Jruby, aproveitei para instalar o Jruby em meu Debian e mexer um pouco (Ainda bem que a Vex não me
deixou nesse momento).

A palestra de George Guimarães, falou sobre escalabilidade, de como usar o Nagios, e outras ferramentas para encontrar gargalos em sua aplicação.

Após o almoço  assisti a minha última palestra do dia. David Chelimsky, entrou falando em português, mas logo voltou ao inglês. Um palestra muito bem detalhada sobre Rspec e BDD.

Rspec é uma ferramenta dedicada a Behavior Driven Development e Test Driven Development. David define ela como um “Domain Specific Language descrevendo o comportamento esperado de um sistema com exemplos”.

Mas o que corria os corredores era o projeto Open Source desenvolvido em parceria com quase todos os participantes, o Morena Open Source, o git pode ser clonado aqui:

git://github.com/willpaixao/morena_opensource.git

Bom, o evento fui muito bem organizado, e distribuído. Palestras e palestrantes de alto nível marcaram o evento com a elegância de um código em Ruby. Reencontrei alguns velhos amigos, e conheci novos.

O Live Stream do Blog Blogs criado para o evento foi muito bacana para a comunicação entre os participantes e divulgação do projeto Morena Open Source.

http://blogblogs.com.br/livestream/name/railssummit

Que venha o Rails Summmit 2009!

Apenas agregando:

http://rubyhoedown2008.confreaks.com/05-bryan-liles-lightning-talk-tatft-test-all-the-f-in-time.html

http://blog.davidchelimsky.net/articles/2007/05/14/an-introduction-to-rspec-part-i

http://simplesideias.com.br/rails-escala-quem-se-importa/

http://vimeo.com/1974744?pg=embed&sec=1974744

http://www.perfdynamics.com/Classes/Outlines/guerilla.html

http://www.amazon.com/Guerrilla-Capacity-Planning-Tactical-Applications/dp/3540261389

http://www.sethgodin.com/purple/

Distributed Nagios eXecutor

outubro 12, 2008

O Nagios é uma ferramenta que possibilita uma liberdade grande para monitoração de sua rede. Para Monitoração Distribuída não seria diferente. Na documentação oficial do Nagios, você tem um modelo bem interessante de monitoração distribuída.

Porém essa sugestão pode ser um pouco problemática vendo que as checagens passam a ser “tratadas” por um agente externo ao Nagios, além de existir duplicidade nas configurações do Nagios entre  o servidor principal e os servidores distribuídos. Outra coisa é o fato que se um serviço falhar para um servidor, pela lógica do Nagios todos os outros serviços iram falhar, se você precisa de um SLA no final do mês, boa sorte:).

Não seria interresante se para montar uma monitoração distribuída com o Nagios, as configurações ficassem um um único arquivo, no servidor central? Adicionar e remover servidores que seram integrados a monitoração distribuída sem alterar configurações?

Sim seria, e alguém já teve as mesmas dúvidas, e por meio de um Event Broker o DNX age como um intercepta-dor de comandos, verifica, e encaminha para o host certo, assim ele distribuí a carga entre os servidores e mantém a configração simplificada.

Mais informações:

http://dnx.sourceforge.net

http://tech.lds.org/index.php?option=com_content&task=view&id=107&Itemid=68